Novas formas de trabalho e aprendizagem

Farmacêuticos participam de oficinas práticas no eixo Novas formas de trabalho e aprendizagemFarmacêuticos participam de oficinas práticas no eixo Novas formas de trabalho e aprendizagem

São Paulo, 26 de setembro de 2018.

O painel de educação do Simpósio Tendências Farmacêuticas reuniu, nos dias 21 e 22 de setembro, especialistas que discutiram novas formas de trabalho e aprendizagem. Os destaques do primeiro dia de apresentações foram os relatos de experiência da atuação das farmácias universitárias de três instituições de ensino por meio de seus coordenadores Dr. Roberto Malta, Dra. Rute Mendonça Xavier de Mauro e Dr. Leonardo Regis Leira Pereira, respectivamente representantes do Centro Universitário de Votuporanga (Unifev), Faculdade Integradas de Bauru (FIB) e Faculdade de Farmácia da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto (FCFRP-USP).

Os palestrantes falaram sobre a importância da farmácia universitária em sua região, desafios, estrutura física, projetos e principais serviços realizados, além do foco principal, que é a formação profissional qualificada, preparando os graduandos para atuarem de forma qualificada no mercado de trabalho.

Profº Roberto Carlos Malta, Profª Rute Xavier e Moura e Profº Leonardo Reges PereiraProfº Roberto Carlos Malta, Profª Rute Xavier e Moura e Profº Leonardo Reges Pereira

Outro importante destaque foi a palestra do Professor Anderson Bençal Indalécio, professor da Unifev e representante da empresa Mundo Nativo Digital. Numa apresentação bem interativa, o especialista em educação apresentou formas inovadoras de ensino na graduação presencial utilizando tecnologias de informação e comunicação. “As ferramentas digitais aprimoraram a nossa relação com a informação”, disse o palestrante.

O destaque no sábado, 22, foram as oficinas que demonstraram metodologias ativas de ensino-aprendizagem, entre as quais Aprendizagem baseada em problemas, coordenada pelo Profº Lucélio Bernardes Couto; Aprendizagem baseada em equipes, coordenada pelo Profº Lucas Borges Pereira; e Simulação realística, coordenada pelo Profº Dyego de Araújo.

Profº Anderson Idalécio, Profº Dyego de Araújo, Profº Lucas Pereira e Profº Lucélio CoutoProfº Anderson Idalécio, Profº Dyego de Araújo, Profº Lucas Pereira e Profº Lucélio Couto


Carlos Nascimento

Departamento de Comunicação CRF-SP

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS

Atuação Clínica do Farmacêutico

Público durante as apresentações do eixo Atuação clínica do farmacêuticoPúblico durante as apresentações do eixo Atuação clínica do farmacêutico

São Paulo, 26 de setembro de 2018.

Em alta, a parte clínica da profissão não poderia estar de fora do evento. Para isso, as áreas de Análises Clínicas e Toxicológicas, Farmácia Estética, Farmácia, Farmácia Clínica, Farmácia Hospitalar e Saúde Pública tiveram espaço no eixo ‘Atuação Clínica do Farmacêutico’, que reuniu profissionais de todos esses setores para debater a nova realidade.

Painel Interface entre farmacêuticos de diferentes áreas de atuação: Dra. Rosana Spezia, Dra. Mariana Gois Raponi Branco e Dra. Ana Cristina Lo PretePainel Interface entre farmacêuticos de diferentes áreas de atuação: Dra. Rosana Spezia, Dra. Mariana Gois Raponi Branco e Dra. Ana Cristina Lo Prete

 

No primeiro dia, 21, foram expostos, em painel, a interface entre farmacêuticos nas áreas de cuidados farmacêuticos ao idoso, análises clínicas e toxicológicas, saúde pública, plantas medicinais e fitoterápicos, homeopatia, Medicina Tradicional Chinesa, suplementos alimentares, farmácia e farmácia estética.

Painel Interface entre farmacêuticos de diferentes áreas de atuação: Dra. Priscila Espozito de Souza Luz, Dra. Mafalda Biagini e Dr. José Antônio BergamoPainel Interface entre farmacêuticos de diferentes áreas de atuação: Dra. Priscila Espozito de Souza Luz, Dra. Mafalda Biagini e Dr. José Antônio Bergamo

 

Também ocorreu a palestra Cenário das doenças raras no Brasil, ministrada pelo fundador da Casa Hunter (ONG voltada a portadores de doenças raras), Antoine Daher. Ele apresentou o cenário do diagnóstico e tratamento desse tipo de doença no Brasil.

Painel Ampliação e Aprimoramento da Atuação Clínica do Farmacêutico: Dra. Andrea Forlenza, Dr. Bruno Ferrão e Dr. José Henrique Gialongo Gonçales BomfimPainel Ampliação e Aprimoramento da Atuação Clínica do Farmacêutico: Dra. Andrea Forlenza, Dr. Bruno Ferrão e Dr. José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim

“Estima-se que no Brasil mais de 13 milhões de pessoas são portadoras de doenças raras. Muitas vezes, o diagnóstico para esses pacientes ocorre tardiamente ou não ocorre, além de que os pacientes geralmente encontram dificuldades no acesso ao tratamento, precisando acionar a Justiça”, afirma.

Dra. Vanessa Kasubeck, Dra. Ana Tarina Lopes, Dra. Paola Donaire e Dra. Vanessa de AndradeDra. Vanessa Kasubeck, Dra. Ana Tarina Lopes, Dra. Paola Donaire e Dra. Vanessa de Andrade

No dia 22, profissionais discutiram casos clínicos nas especialidades de oncologia, Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pediatria e neonatal e terapia nutricional parenteral e enteral. Também ocorreu uma palestra sobre o papel do farmacêutico no controle da hipertensão e simulações realística da atuação do farmacêutico no cuidado ao idoso e na rotina da prática clínica.

Dr. Antonio Daher e Dra. Damaris Marcelino VieiraDr. Antonio Daher e Dra. Damaris Marcelino Vieira

Dr. Tiago Arantes, Dr. Gustavo Alves de Andrade dos Santos e Dra. Karina BarrosDr. Tiago Arantes, Dr. Gustavo Alves de Andrade dos Santos e Dra. Karina Barros

Simulação realística da atuação clínica do farmacêuticoSimulação realística da atuação clínica do farmacêutico


Mônica Neri

Departamento de Comunicação CRF-SP

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS

Saúde e Qualidade de vida

Público no eixo Saúde e Qualidade de VidaPúblico no eixo Saúde e Qualidade de Vida

 

São Paulo, 26 de setembro de 2018.

Na mesma linha de mostrar inovações e tendências das mais diversas áreas farmacêuticas, o eixo Saúde e Qualidade de Vida debateu, no dia 21, um dos temas mais comentados do momento, o uso terapêutico da Cannabis sativa, assim como as evidências científicas do uso fitoterápico da planta apresentados pela Dra. Renata Chagas Monteiro e pelo Dr. Fabrício Pamplona.

Muitos dos 545 compostos da Cannabis, que são retirados das flores e não das plantas, têm apresentado alto efeito terapêutico, como é o caso do THC (tetraidrocanabinol). Para combater os efeitos da quimioterapia, por exemplo, é necessário utilizar os canabinoides na forma ácida, ou seja, os que não passaram pelo processo de descarboxilização. Entre algumas ações terapêuticas do THC estão as funções bactericida, anti-inflamatória, analgésica, corticoide, neuroprotetora. Já o CBD (canabidiol) é o mais conhecido, não por ser o mais potente, mas por ser o mais estudado. “Há estudos que comprovam que ele não é porta de entrada para outras drogas, como dizem, mas porta de saída, já que atua em tratamentos contra a dependência química para eliminar a fissura. Já em relação ao câncer, ele combate as células cancerígenas, protegendo as boas. Possui também poderosa vitamina C e ação antioxidante”, diz Dra. Renata Monteiro.

Dra. Mafalda Biagini, Dra. Renata Monteiro e Dr. Fabrício Pamplona no painel Uso terapêutico da Cannabis sativaDra. Mafalda Biagini, Dra. Renata Monteiro e Dr. Fabrício Pamplona no painel Uso terapêutico da Cannabis sativa

Apesar da ação dos componentes isolados ser eficaz, a utilização de todos os canabinoides em conjunto possui maior efeito terapêutico. A combinação de THC e CBD causa um efeito antioxidante ainda maior, já que o organismo é preparado para receber essas substâncias. “A dose terapêutica é individual, assim como a resposta ao tratamento. É preciso estar alerta às interações com outros medicamentos e aos efeitos colaterais, que são baixos, mas podem existir”.

Para evidenciar os benefícios da cannabis, o neurocientista Dr. Fabrício Pamplona, apresentou uma série de pesquisas que mostram a evolução de pacientes como caso da estudante Juliana Paolinelli que chegou a usar bomba de morfina para aliviar as fortes crises de dor na coluna. Ela obteve da Justiça a primeira autorização para importar um medicamento com maior concentração de tetraidrocanabinol, o THC e usa um vaporizador abastecido com cannabis em forma líquida.

Em relação à epilepsia, a ação reflete no sono, humor, comportamento e em atividades motoras. “Estão perdendo uma oportunidade enorme de regularizar um produto que faz um bem enorme à população. Estamos falando de um produto que será a primeira escolha para o tratamento de epilepsia, por exemplo. São mais de dois milhões de pessoas com a doença. Essa é a minha aposta”, diz Dr. Fabrício.

Medicina Tradicional Chinesa

Dr. Carlos Kalil Neves, Dr. Geilson Araújo, Dr. José Ricardo Domingues e Dr. Marcelo BuzanelliDr. Carlos Kalil Neves, Dr. Geilson Araújo, Dr. José Ricardo Domingues e Dr. Marcelo Buzanelli

No painel “Aplicação prática na Medicina Tradicional Chinesa”, os destaques ficaram por conta dos benefícios da acupuntura que pode atuar no alívio da dor, assim como pode reduzir a utilização dos medicamentos. A moxabustão, eletroterapia, magnoterapia, gua-sha, ventosaterapia, auriculoterapia e a laserterapia também foram apresentados. O evento contou ainda com a palestra sobre farmacotécnica dos produtos da MTC; produção e o controle de qualidade.

Dra. Márcia Borges e Dra. Viviane Bergamo MorgeroDra. Márcia Borges e Dra. Viviane Bergamo Morgero

No sábado, na parte da manhã, as apresentações focaram o papel do farmacêutico no segmento cosmético, complicações da cosmetologia estética e o farmacêutico e a prática esportivo.

Dr. Alberto Keidi Kurebayashi, Dr. José Henrique Bonfim e Dra. Patrícia RomanoDr. Alberto Keidi Kurebayashi, Dr. José Henrique Bonfim e Dra. Patrícia Romano

Já no período da tarde, foram realizadas oficinas de práticas integrativas e complementares, com demonstrações dinâmicas de ventosaterapia e auriculoterapia; homeopatia; plantas medicinais e fitoterápicos; reiki; floralterapia; antroposofia e aromaterapia.

Oficina do circuito de práticas integrativas e complementaresOficina do circuito de práticas integrativas e complementares

 

Thais Noronha

Departamento de Comunicação CRF-SP

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS