Levantamento do CRF-SP com mais de 1100 farmacêuticos aponta falta de antibióticos, mucolíticos, anti-histamínicos e analgésicos

 

São Paulo, 20 de junho de 2022.

Um levantamento do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, CRF-SP, apontou que 98,52% dos farmacêuticos que responderam ao questionário sofrem com o desabastecimento de medicamentos, destes a maioria atua em estabelecimentos do setor privado. Já 10,24% são do setor público (administração direta) e o restante se divide em setor público (parceria privada e terceirizações) e estabelecimentos filantrópicos, beneficentes, mistos e autarquias.

O levantamento, realizado por meio de questionário contendo 20 perguntas disponibilizado no portal e nas redes sociais do CRF-SP, de 19 de maio a 30 de maio de 2022, obteve 1.152 respostas válidas. Dessas, 93,49% dos participantes relataram sofrer com a falta de antimicrobianos (entre os mais citados amoxicilina e azitromicina); 76,56% com a falta de medicamentos mucolíticos (entre os mais citados acetilcisteína e ambroxol); 68,66% com a falta de medicamentos anti-histamínicos (entre os mais citados dexclorfeniramina e loratadina); 60,59% com a falta de medicamentos analgésicos (entre os mais citados Dipirona, ibuprofeno e paracetamol) e 37,15% relataram a falta de outras classes.

Segundo o Dr. Marcelo Polacow, presidente do CRF-SP, as crianças são as que mais têm sofrido com o desabastecimento. “Os relatos mostraram que os medicamentos em falta são principalmente em suas formulações líquidas, o que prejudica em especial, a população pediátrica, já que a maioria dos medicamentos para esse público é na forma líquida por serem mais fáceis de administrar”.

Principais motivos para o desabastecimento

Os profissionais participantes, tanto os que atuam no setor público quanto os que estão no setor privado, apontaram a escassez de mercado, a alta demanda não esperada, falha do fornecedor e preço alto impraticável como motivos para a falta de determinados medicamentos.

Situações como a guerra na Ucrânia e o lockdown na China geraram problemas logísticos para o atendimento das demandas de insumos e medicamentos.

Alteração na receita

O CRF-SP alerta que o farmacêutico não deve modificar a prescrição de médicos e dentistas, por exemplo. Em caso de falta de medicamentos, o farmacêutico pode entrar em contato com o prescritor para indicar possíveis alternativas terapêuticas para uma nova prescrição ou orientar o paciente a solicitar a mudança com o profissional prescritor.

Confira o relatório na íntegra

 

Thais Noronha

Departamento de Comunicação CRF-SP

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS

Fique atualizado sobre capacitações e informativos importantes do CRF-SP. Participe do canal de Telegram e mantenha-se informado!
https://t.me/crfsp_cursosenoticias