PROFISSIONAIS INSCRITOS ATIVOS
     

ESTABELECIMENTOS REGISTRADOS

Revista do Farmacêutico

PUBLICAÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Nº 115 - JAN-FEV-MAR / 2014

 

CháA novidade do Gaba e Java tea

Nativos de países da Ásia e da Austrália, Gaba tea e Java tea inovam mercado brasileiro de chás com efeitos terapêuticos

 

O crescente mercado de chás do Brasil, cujo volume de vendas nos últimos anos registrou aumento de 30%, deverá receber duas novas opções de infusões com propriedades benéficas para a saúde. Segundo levantamento do Instituto Euromonitor, o setor registrou salto de US$ 288 milhões, em 2010, para US$ 373 milhões em 2012. As novidades são o Gaba tea e o Java tea, ambos muito populares no oriente, mas ainda praticamente desconhecidos no país.

Largamente consumido no Japão e Estados Unidos, o Gaba tea é produzido a partir das folhas da planta, a Camellia sinensis, submetidas a um processo diferente de oxidação. Foi descoberto há mais de 20 anos, quando cientistas japoneses pesquisavam uma forma mais natural para a preservação dos alimentos em geral e perceberam que havia um aumento em mais de dez vezes dos níveis naturais de Gaba nas folhas de chá expostas ao nitrogênio usado no processo.

Nome que deriva do ácido gama-aminobutírico, Gaba é um aminoácido produzido pelo corpo humano e a ele são atribuídas várias propriedades benéficas à saúde. Pesquisas científicas estão sendo feitas para comprovar a validade dessas afirmações. A divulgação da diversidade desses benefícios e dos resultados já alcançados causou um aumento da procura pelo chá, trazendo também um consequente aumento do interesse dos produtores e de pesquisadores sobre o assunto.

Gaba Tea (Foto: Divulgação)Com efeito calmante e relaxante, o Gaba Tea ajuda controlar a pressão arterial e a reduzir a ansiedade O processo de produção do Gaba tea começa com a escolha de uma plantação de chá de alta qualidade, que é sombreada por dez dias antes da colheita, para aumentar os níveis de ácido glutâmico. Depois de colhidas, as folhas são colocadas em cilindros de aço inoxidável em uma atmosfera de nitrogênio por cerca de oito horas e a uma temperatura acima de 40 °C. Para ser certificado como um Gaba tea, ele precisa ter no mínimo 150 mg de Gaba por 100 g de folhas, o que é bem acima dos 6 mg contidos no chá verde comum.

A farmacêutica dra. Sylvia Florinda Pereira Rodrigues, tea sommelier e proprietária de uma casa de chás, conta que entre os benefícios atribuídos ao Gaba, –e que por consequência costumam ser estendidos ao Gaba tea—, estão seu efeito calmante e relaxante, que ajudaria a reduzir a pressão arterial, controlar a hipoglicemia, reduzir a ansiedade, favorecer o sono e prevenir ressacas. “Inclui-se também a moderação do apetite, o que é útil para manter um peso ideal, e como liberador de hormônio de crescimento, especialmente após exercícios físicos, pois é conhecido por aumentar a massa muscular.”

A oxidação por nitrogênio deixa o Gaba tea com a aparência e o sabor de um chá preto de excelente procedência e pode ser tomado tanto quente como frio.

No Japão, algumas escolas servem o Gaba tea às crianças como bebida refrescante para estimular a agilidade mental. Estudos comprovam que, mesmo sendo consumido com muita frequência, o chá não tem efeitos colaterais e não causa dependência.

Efeito diurético

Java Tea (Foto: Divulgação)O Java Tea é originário do sudeste da Ásia e a Austrália, e é indicado para aliviar as dores provocadas pela artrite, gotas e reumatismosLocalmente conhecido como Misai Kucing, o Java tea não é propriamente um chá, e sim uma infusão feita com folhas e flores da Orthosiphon stamineus, planta da família das Lameaceas, nativa do sudeste da Ásia (Malásia, Indonésia, Tailândia) e parte da Austrália.

Naquela região, é cultivada principalmente em jardins como planta ornamental, pois destaca-se pela beleza e elegância de suas flores brancas, em um arbusto que chega a 1,5 m de altura.
O Java tea começou a despertar o interesse dos pesquisadores quando foi trazido para a Europa no começo do século XX, por colonizadores holandeses, e se tornou uma erva medicinal muito popular na Holanda, Alemanha, França e Inglaterra.

Sua popularidade vem dos efeitos diuréticos relatados, sendo indicada para disfunções dos rins e bexiga, sem prejudicá-los. Contém potássio suficiente para repor as perdas, o que é um problema encontrado comumente em diversas ervas ou drogas diuréticas. É usado também para aliviar as dores devidas a artrite, gotas e reumatismos, por sua habilidade em promover a eliminação do ácido úrico.

Dra. Sylvia alerta que, embora o Misai Kucing seja uma das poucas ervas aprovadas pelo governo alemão como diurético na prevenção de cálculos renais, não há muitas pesquisas documentadas sobre seus efeitos farmacêuticos. Portanto, seu uso para fins medicinais somente deve ser feito sempre sob supervisão profissional.

Por Renata Gonçalez