Farmácia em Jardinópolis conta com horto de plantas medicinais com mais de 250 espécies para produção de fitoterápicos

Dra. Ivanice Maria Cestari Dandaro, farmacêutica responsável técnica pela Farmácia da NaturezaDra. Ivanice Maria Cestari Dandaro, farmacêutica responsável técnica pela Farmácia da Natureza

São Paulo, 26 de maio de 2022.

Em Jardinópolis, município a cerca de 330 km da capital paulista, em 1995, nasceu a Farmácia da Natureza, estabelecimento vinculado a uma instituição filantrópica que distribui medicamentos fitoterápicos gratuitamente para a comunidade do município, além de adjacentes como Ribeirão Preto, Sertãozinho, Brodowski, Batatais, Pontal e Sales Oliveira.

No Horto de Plantas Medicinais são cultivadas mais de 400 espécies medicinais, sendo 250 espécies utilizadas como fonte de matéria prima para a produção  de fitoterápicos, aviados em formulações oficinais e magistraisNo Horto de Plantas Medicinais são cultivadas mais de 400 espécies medicinais, sendo 250 espécies utilizadas como fonte de matéria prima para a produção de fitoterápicos, aviados em formulações oficinais e magistrais

Vinculada ao Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de um convênio com a Prefeitura Municipal de Jardinópolis-SP, a Farmácia Viva começou com a implantação do Horto Medicinal com as primeiras espécies procedentes da coleção de plantas medicinais da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp) e, em seguida, foram plantadas duas mil mudas de Cymbopogon citratus, visando o fornecimento da espécie para uma empresa produtora de óleo essencial. Já em 2003, foi incorporada ao horto uma coleção de plantas medicinais com mais de 120 espécies cedidas pelo Dr. Degmar Ferro, que desenvolvia em Sertãozinho-SP um amplo trabalho com fitoterápicos.

Na área há 10 anos, a farmacêutica responsável técnica pela Farmácia da Natureza, Dra. Ivanice Maria Cestari Dandaro, ressalta que a área de cultivo de plantas medicinais integrada à produção de preparações magistrais e oficinais de fitoterápicos é o grande diferencial da Farmácia Viva. Esta integração é preconizada pela Portaria N° 886 de 20 de abril de 2010 do Ministério da Saúde, que instituiu a Farmácia Viva no âmbito do SUS.

Os farmacêuticos atuam em todos os processos do complexo em que está localizado a FarmáciaOs farmacêuticos atuam em todos os processos do complexo em que está localizado a Farmácia

“O cuidado com as plantas em todos os níveis, a exemplo da adubação, do fornecimento de água, do controle de insetos ou microrganismos, entre outros fatores, bem como as boas práticas de cultivo e colheita, impactam diretamente na qualidade do fitoterápico, como produto farmacêutico acabado”

Com uma extensão de cinco hectares, o Horto Medicinal da Farmácia da Natureza abriga, em sistema agroflorestal e orgânico, mais de 400 espécies de plantas medicinais nativas do Brasil ou oriundas de outros países. Dra. Ivanice destaca que o solo do Horto é manejado com práticas ecológicas como adubação orgânica, rotação de cultura, adubação verde, cobertura morta, associações de cultura, todas essas práticas adequadas para manter o solo vivo, fértil, sem erosões e com boa drenagem de água.

O Horto é formado por uma estrutura florestal e uma área aberta, bem ensolaradaO Horto é formado por uma estrutura florestal e uma área aberta, bem ensolarada

“O Horto é formado por uma estrutura florestal e uma área aberta, bem ensolarada. De modo geral, as espécies arbóreas estão adensadas em dois ambientes: num bosque formado por espécies nativas decíduas e em mata ciliar recuperada com o plantio de espécies medicinais, as quais margeiam o córrego Novato. O plantio de árvores no horto foi parte de um trabalho desenvolvido com crianças e adolescentes, dentro de um programa de educação ambiental. Um banco de sementes foi estruturado com o objetivo de reintroduzir, no campo, as espécies anuais e aquelas cujas raízes são utilizadas para a produção de fitoterápicos e que necessitam ser constantemente propagadas por sementes, a exemplo de Echinacea purpurea e Valeriana officinalis. Além disso, o banco tem a finalidade de fornecer genótipos selecionados para outros programas de Farmácias Vivas no Brasil. Adicionalmente, são mantidos bancos de germoplasma das espécies Maytenus ilicifolia, Stryphnodendron adstringens, Justicia pectoralis e Eclipta prostata, visando fornecer material vegetal para programas de melhoramento de plantas.

 

Na área de cultivo de plantas medicinais há dezenas de colmeias pertencentes à tribo Meliponina. As abelhas sem ferrão, além de polinizarem as flores, coletarem pólen, produzirem mel, própolis, resina, cera e cerume, são excelentes indicadoras de ambientes saudáveis, pois quando há pulverização de agrotóxicos na área em que vivem, são as primeiras a desaparecer. As espécies que estão sendo mantidas e manejadas no Horto são: jataí (Tetragonisca angustula), marmelada (Friseomelitta varia), mirim (Plebeia droryana), mirim preguiça (Friesella schrottkyi), lambe-olhos (Leurotrigona muelleri) e mandaguari (Scaptotrigona postica)”

Convênio com a prefeitura

A Farmácia da Natureza firmou convênio com a Prefeitura de Jardinópolis, com objetivo de produzir e fornecer os fitoterápicos para o SUS como xarope de guaco (Mikania laevigata); tintura de maracujá (Passiflora incarnata); creme de erva-baleeira (Cordia verbenacea) e chá de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia).

Dra. Ivanice chama a atenção para os benefícios da parceria que vão além da produção de fitoterápicos. “A equipe técnica da Farmácia da Natureza iniciou um programa de educação continuada com médicos e outros profissionais da saúde do município, com a finalidade de realizar treinamento técnico para a prescrição dos fitoterápicos e disponibilizar um memento fitoterápico contendo informações a respeito dos quatro fitoterápicos disponíveis no SUS de Jardinópolis. Também foi realizado um ciclo de visitação médica a todas as UBS/USF, para responder, individualmente, a questionamentos e dúvidas a respeito da prescrição desses fitoterápicos, bem como foram ministradas aulas e realizadas discussões clínicas em ambiente virtual com os médicos que trabalham nessas unidades de saúde”.

Farmacêuticos de ponta a ponta

Farmacêuticos, agrônomos, químicos, biotecnólogos, médicos e enfermeiros integram a equipe de profissionais da Farmácia da Natureza. Cada um atua em áreas específicas nas diferentes unidades e a integração acontece por meio de reuniões, discussões técnicas e planejamento das atividades, delineamento de pesquisas e elaboração de conteúdos didáticos e científicos. A maioria dos colaboradores trabalha voluntariamente, na farmácia, há mais de 10 anos.

“Os farmacêuticos atuam em todos os processos do complexo Farmácia da Natureza. Temos um farmacêutico responsável pela unidade de secagem (preparo e controle de qualidade de droga vegetal), dois farmacêuticos responsáveis pela produção e controle de qualidade de fitoterápicos dispensados no SUS do município de Jardinópolis, além de um farmacêutico responsável pela elaboração e manutenção do portal fitoterapia Brasil”, enfatiza a Dra. Ivanice.

Farmacêuticos, agrônomos, químicos, biotecnólogos, médicos e enfermeiros integram a equipe de profissionais da Farmácia da NaturezaFarmacêuticos, agrônomos, químicos, biotecnólogos, médicos e enfermeiros integram a equipe de profissionais da Farmácia da Natureza

Uma lição de amor ao próximo

“Fazer parte dessa equipe me traz um sentimento de plenitude. Esse projeto é mais do que um trabalho é um aprendizado de vida, uma lição de amor ao próximo”, assim a Dra. Ivanice descreve o seu trabalho à frente da Farmácia da Natureza.

O trabalho é estruturado em práticas de cuidado integral, que começa nas relações entre os trabalhadores, se estende pelo comprometimento e responsabilidade com as atividades desenvolvidas em equipe, se amplia no cuidado com a água, o solo, a muda, o cultivo, a colheita, o processamento, o armazenamento e a produção do medicamento, até alcançar, por fim, quem vai fazer uso dos fitoterápicos.

Resultados

Segundo dados de distribuição de fitoterápicos para o município de Jardinópolis e adjacentes, entre 2014 e 2019, mostram que foram dispensados mais de 45 mil frascos de fitoterápicos de droga vegetal, tinturas, cápsulas, xaropes, entre outras. O trabalho é realizado adotando-se os princípios da medicina integrativa, que aborda o indivíduo em seu contexto biológico, psíquico, social e religioso. O paciente participa ativamente das decisões, que são compartilhadas com o médico, aumentando a adesão ao tratamento e as chances de sucesso.

“Os resultados obtidos, por mais de duas décadas, com a produção de fitoterápicos se deve a um conjunto de ações relacionadas à presença de profissionais de múltiplas áreas do conhecimento que contribuíram com suas competências, ao caráter educativo do programa, à participação da comunidade, à colaboração e à dedicação de voluntários sempre constantes, à atuação expressiva de duas universidades, ao empenho em manter o controle de qualidade dos fitoterápicos, como preconizado pela Anvisa, e ao trabalho intenso de envolver e motivar o poder público, legislativo e executivo, do município de Jardinópolis a reconhecer o potencial de oportunidades e apoiar as ações da Farmácia. Todo o trabalho está estruturado na certeza de que a Fitoterapia é um recurso terapêutico eficaz, que deve fazer parte da atenção primária em saúde e que deve ser acessível e disponível para toda a população brasileira”, destaca a Dra. Ivanice. 

Para o SUS, a Farmácia fornece xarope de guaco (Mikania laevigata); tintura de maracujá (Passiflora incarnata); creme de erva-baleeira (Cordia verbenacea) e chá de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia)Para o SUS, a Farmácia fornece xarope de guaco (Mikania laevigata); tintura de maracujá (Passiflora incarnata); creme de erva-baleeira (Cordia verbenacea) e chá de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia)

Thais Noronha

Departamento de Comunicação CRF-SP

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS

Fique atualizado sobre capacitações e informativos importantes do CRF-SP. Participe do canal de Telegram e mantenha-se informado!
https://t.me/crfsp_cursosenoticias