Mudanças na Farmácia Popular

 

 CRF-SP defende que as políticas públicas devem priorizar o acesso ao medicamento e garantir assistência farmacêutica

CRF-SP defende que decisão do governo federal deve priorizar e garantir assistência farmacêuticaCRF-SP defende que decisão do governo federal deve priorizar e garantir assistência farmacêutica

 

São Paulo, 19 de abril de 2017

Nas últimas semanas, tem repercutido com grande destaque na mídia a notícia sobre o fechamento das 393 unidades da rede própria do programa Farmácia Popular, fazendo com que a distribuição de medicamentos gratuitos ou com até 90% de desconto seja realizada unicamente pela rede de farmácias conveniadas.

A alegação do governo federal para justificar a mudança é que o programa tem dado prejuízos e que os recursos economizados serão repassados para a compra de medicamentos, segundo informações divulgadas na imprensa.

A decisão preocupa entidades farmacêuticas de todo o país, entre as quais o CRF-SP que, mais uma vez, reitera sua posição em defesa incondicional dos princípios do SUS, da Assistência Farmacêutica e sobretudo da importância do farmacêutico para a saúde pública. Só no ano passado, o Programa Farmácia Popular atendeu mais de 6 milhões de pessoas, distribuindo mais 39 milhões de medicamentos, mesmo com a redução do estoque.

Embora as informações preliminares não sejam suficientes para se concluir que haverá prejuízo nesse sentido, o Conselho defende a importância da manutenção e aprimoramento de políticas públicas de saúde que beneficiem os pacientes, que facilitem o acesso e garantam o uso racional de medicamentos. Para tanto reforçamos que o poder público deve manter o diálogo aberto com a sociedade e com as entidades e profissionais que atuam na área e que podem trazer elementos que contribuam no aperfeiçoamento dos programas.

 

 

Assessoria de Comunicação CRF-SP

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS