PUBLICAÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Nº 132 - OUT - NOV - DEZ/2017

 

Capa

 

12 anos de trabalho pela sociedade e pela profissão

 

Remédio não é biscoito, farmácia é estabelecimento de saúde e o farmacêutico é o profissional de saúde mais acessível à população. Essas três simples frases nortearam uma das transformações mais profundas que a profissão farmacêutica passou nos últimos doze anos. Para alguns talvez pareça pouco, mas elas representam o resgate da imagem de um profissional de saúde que corria risco de se transformar num mero entregador de medicamentos, a recuperação de um estabelecimento de saúde que ameaçava se transformar num mercado de secos e molhados e a crescente conscientização da população de que o medicamento não é um produto qualquer.

Foram importantes conquistas que demandaram muito trabalho e dedicação. Mas não é apenas isso. Nos últimos doze anos também mudou a forma e a agilidade de como os farmacêuticos são atendidos pela entidade responsável pela fiscalização do exercício profissional. O uso de tecnologia agilizou o atendimento, facilitou a fiscalização e ampliou as possibilidades de capacitação dos profissionais preocupados em atualizar conhecimentos.

As eleições do CRF-SP de 2017 marcaram o fim de um ciclo, ao mesmo tempo que indicam o início de um novo período de transformação. A saída dos diretores Dr. Pedro Eduardo Menegasso, presidente do CRF-SP, que comandou a entidade nos últimos três biênios com início em 2012, e da dra. Raquel Cristina Delfini Rizzi, presidente no período de 2006 a 2011, representa o fim de um período importante de conquistas da instituição. Ambos, por decisão própria, deixam a diretoria no final de 2017.  

Esta edição especial da Revista do Farmacêutico traz um pouco das conquistas obtidas pelo CRF-SP e pelos farmacêuticos paulistas nos últimos doze anos. Apresenta importantes números que indicam o crescimento e fortalecimento da profissão, mas, acima de tudo, indicam um período de reaproximação e de valorização do farmacêutico junto à comunidade, de estar em praças, escolas, centros comunitários, igrejas, onde quer que fosse necessário para levar informações sobre o uso racional e responsável dos medicamentos. 

 

 
 
 

     

     

    farmacêutico especialista

     

    Há 45 anos evoluindo com a profissão
     
    Apontado como um dos maiores eventos da área de Farmácia da América Latina, o Congresso Farmacêutico de São Paulo (outrora denominado Congresso Paulista de Farmacêuticos) foi realizado pela primeira vez em novembro de 1972. Nascia o primeiro encontro técnico-científico voltado especialmente aos farmacêuticos, realizado no Palácio dos Bandeirantes, na capital. 
    Ainda com uma programação tímida, o Congresso já evidenciava o ímpeto da categoria farmacêutica em mudar a realidade e, assim, fazer com que a profissão se fortalecesse e ganhasse importância para debater e contribuir na construção de regulamentações para a área. 
    De lá para cá, o evento foi evoluindo com a profissão, sempre pautado com acontecimentos importantes para a Farmácia, agregando discussões acerca de assuntos como:
    • Práticas alternativas e complementares; 
    • Decreto presidencial nº 85.878/81, que definiu as atribuições privativas dos farmacêuticos e representou uma das maiores vitórias da profissão;
    • A criação do Sistema Único de Saúde com a promulgação da Constituição de 1988; 
    • O substitutivo apresentado pelo deputado federal Ivan Valente ao PL 4.385/94 (que propunha nova redação ao artigo 15 da Lei 5.991/73 e a consequente desobrigação da responsabilidade técnica exclusiva pelos farmacêuticos em farmácias e drogarias);
    • A criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); a RDC 44/09 (que regulamenta a prestação de serviços farmacêuticos);
    • E a recente aprovação da Lei 13.021/14.