Revista do Farmacêutico 114 - Especial

rf108_cabecalho

PUBLICAÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Nº 114 - NOV-DEZ / 2013

Revista 114 setinha Especial

 

Quanto custa?

Manter as operações de uma entidade com as atribuições e abrangência do CRF-SP tem um custo elevadoa

Fiscalização e Defesa do ÂmbitoAtendimento Eficaz

Materiais Técnicos/Publicações DiversasFiscalização de caráter orientativo, que garante a presença do farmacêutico em 90% dos estabelecimentos em todo o Estado, mantém o  emprego dos profissionais, o cumprimento da lei e a saúde da população; cursos gratuitos de alta qualidade técnica; publicações que auxiliam o farmacêutico na sua atuação diária; estrutura descentralizada de atendimento na capital e em 26 cidades no Estado; ações de defesa do âmbito e valorização profissional. São nessas e em outras inúmeras importantes atividades que  são investidos os recursos do CRF-SP provenientes da sua anuidade. 

Aparentemente os R$ 402,85 (valor estipulado pelo Conselho Federal de Farmácia para 2014) pagos anualmente pelo farmacêutico podem parecer pesados se comparados ao piso salarial da categoria. No entanto, se o profissional perceber que nesse valor estão implícitos benefícios e ações essenciais ao exercício da profissão, é possível entender que pouco mais de R$ 1,10 por dia é um valor aceitável.  

Capacitação

O maior órgão fiscalizador da atividade farmacêutica do país precisa saldar gastos que se dividem em pagamento de funcionários, materiais, despesas, estrutura, aluguéis, manutenção de veículos, obras, aquisições de imóveis e demais obrigações que fazem parte do dia a dia de uma entidade que administra 273 funcionários e congrega cerca de 52 mil farmacêuticos inscritos e cerca de 25 mil empresas que precisam ser fiscalizadas, em alguns casos várias vezes ao ano.

Ao todo, o CRF-SP mantém 27 seccionais e quatro subsedes que facilitam o acesso do profissional aos serviços oferecidos e funcionam como a “casa do farmacêutico”, local que pode ser utilizado para que a categoria se reúna e se organize em busca de contínuas melhorias para a profissão. Os benefícios disponibilizados geram custo e a cada dia o CRF-SP investe na melhoria da qualidade. De acordo com o presidente do CRF-SP, dr. Pedro Menegasso, o atendimento é um dos principais canais para que a diretoria conheça a realidade do profissional e trabalhe em ações que, de alguma forma, vão ao encontro do que o farmacêutico necessita. 

Comunicação Campanhas de Valorização da Profissão

E se o CRF-SP não existisse? 

É possível afirmar que muitos, para não dizer grande parte dos estabelecimentos, provavelmente funcionariam sem farmacêuticos. Infelizmente, é preciso conviver com empresários que ainda enxergam a farmácia como um comércio e não se preocupam com o risco à saúde que representa trabalhar com medicamentos sem a presença do farmacêutico. O  CRF-SP dispõe de 47 fiscais que atuam  dia e noite, fins de semana e feriados em todos os municípios paulistas chegando a realizar 80 mil inspeções em um ano. O CRF-SP ainda mantém uma equipe de farmacêuticos preparados e conhecedores da legislação que orienta os profissionais em farmácias, drogarias, hospitais, distribuidoras, laboratórios, transportadoras, indústrias e outros estabelecimentos para auxilia-los a exercer sua atividade com excelência.

Os números falam por si. São 90% de assistência farmacêutica no Estado, maior índice do país. Em 1993 eram apenas sete fiscais no Estado e 5% de estabelecimentos regulares perante o CRF-SP. 

Toda essa estrutura necessária para atender uma  entidade com tantas atribuições e com abrangência em todo o Estado, tem um custo elevado, principalmente pelo emprego de mão de obra altamente especializada e em grande número e pela natureza das operações. 

CRF-SP transparente

Todas as contas são publicadas e é possível saber os montantes gastos por meio dos balancetes contábeis que são divulgados na Revista do Farmacêutico e estão disponíveis no portal www.crfsp.org.br no ícone “Prestação de Contas”.

 Thais Noronha 

Esquema Anuidade

Distribuição das despesas ao longo do ano no CRF-SP

49% PESSOAL

A estrutura do CRF-SP demanda a mão de obra de 273 funcionários, sendo: 71 no Atendimento, 12 em Eventos, 56 na Fiscalização e  134 alocados em outros departamentos). O CRF-SP cumpre a lei de responsabilidade fiscal. 

7% AÇÕES QUE FORTALECEM A PROFISSÃO

Treinamentos, cursos, palestras e eventos voltados à capacitação dos farmacêuticos e orientação da população. Campanhas institucionais e de promoção à saúde, criação e impressão de materiais gráficos de distribuição gratuita como Revista do Farmacêutico, Fascículos Farmácia Estabelecimento de Saúde e folders em geral, suporte às atividades de fiscalização, assessoria jurídica para defesa do âmbito profissional, atuação junto às autoridades, agências, ministérios, prefeituras, entre outros. 

12% SERVIÇOS E ENCARGOS

Para manter a estrutura organizacional, é necessário pagar pedágios, apólices de seguro, IPTU e outros impostos, fretes, transportes de encomendas, serviços de internet, publicação de editais e deliberações, conservação e manutenção de equipamentos, prédios, condomínios, bens e outros. 

25% REPASSE AO CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA

2% MATERIAL DE CONSUMO

Custos com impressos, combustíveis, manutenção de veículos, vestuários, uniformes e materiais de escritório.

5% INVESTIMENTOS

Aquisição de softwares, equipamentos de informática e utensílios, mobiliários e imóveis; manutenção e ampliação de frota de veículos; obras e instalações, ampliação e aquisição de novas seccionais (imóveis).

Tabela CRF-SP em Números

 

 

 

 

setinha  Voltar ao Sumário

setinha  Acesse aqui as edições anteriores ou faça download da Revista do Farmacêutico