Aplicação dos cálculos de correções em insumos utilizados na manipulação de medicamentos

 

Aplicação dos cálculos de correções em insumos utilizados na manipulação de medicamentosSão Paulo, 20 de fevereiro de 2017.

No exercício da profissão farmacêutica, é de competência privativa do farmacêutico, todo o processo de manipulação magistral e oficinal de medicamentos e outros produtos manipulados em farmácias.

O farmacêutico deve assegurar a garantia da qualidade de todos os produtos manipulados antes da sua dispensação, sendo o profissional competente para definir, aplicar e supervisionar os procedimentos operacionais e farmacotécnicos estabelecidos no processo de manipulação magistral, ou ainda, pelas funções que delegar a terceiros, de acordo com a autonomia de seu exercício profissional.

Em julho de 2016 o Conselho Federal de Farmácia publicou a Resolução nº 625 a qual determina a aplicação dos cálculos para correções de teor, umidade, conversão de unidades, da correspondência sal/base e grau de hidratação, em insumos utilizados nas preparações farmacêuticas, sempre que necessário. Nessa normativa, está previsto que compete ao farmacêutico observar e aplicar as referências dos insumos farmacêuticos e proceder aos cálculos para atender a prescrição de profissional habilitado, observando as concentrações e quantidades indicadas.

Com o objetivo de facilitar a consulta diária do farmacêutico em relação às substâncias utilizadas na manipulação e garantir que, seja qual for a denominação utilizada para uma substância, estará sendo preparado o medicamento terapeuticamente ativo e que mesmo quando a matéria-prima disponível for um sal ou éster, as doses serão equivalentes àquelas clinicamente efetivas, em 2016 o CRF-SP lançou, com apoio da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) uma publicação relacionada ao assunto. Trata-se do Manual de Orientação ao Farmacêutico: Manual de equivalência Sal/Base, que pode ser acessado eletronicamente no portal do CRF-SP no ícone “Outras publicações”.

De acordo com o Manual de Orientação ao Farmacêutico: Manual de equivalência Sal/Base:

Fator de Equivalência (FEq): fator utilizado para fazer o cálculo da conversão da massa do sal ou éster para a massa do fármaco ativo, ou da substância hidratada para a substância anidra.
Fator de Correção (FCr): fator utilizado para corrigir a diluição de uma substância, o teor de princípio ativo, o teor elementar de um mineral ou a umidade. Essas correções são feitas baseando-se nos certificados de análise das matérias-primas ou nas diluições feitas na própria farmácia.

Os registros das correções realizadas pelo farmacêutico devem ser arquivados podendo ser utilizado sistema de registro eletrônico de dados ou outros meios confiáveis e legais, sendo que a documentação deve ficar à disposição das autoridades fiscalizadoras.

Segundo a Res CFF 625/16 compete aos Conselhos Regionais de Farmácia a fiscalização para verificação do atendimento da aplicação dos cálculos de correção de insumos pelo farmacêutico em seu exercício profissional.

Sendo assim, a fiscalização do CRF-SP orienta que o farmacêutico se atente aos procedimentos relativos aos cálculos de correção de forma a garantir que o medicamento prescrito seja manipulado contendo as quantidades corretas da substância para que o tratamento ocorra conforme esperado pelo prescritor.

Caso os farmacêuticos tenham dúvidas sobre a aplicação de fatores de equivalência e correção, o CRF-SP possui um setor onde é possível que o profissional esclareça suas dúvidas diretamente com um farmacêutico fiscal e receba as devidas orientações. Segue os contatos do Setor de Orientação Farmacêutica do CRF-SP: (11) 3067 1470, orientacao@crfsp.org.br ou via chat do atendimento online no portal do CRF-SP.

 

Portal CRF-SP www.crfsp.org.br 
Orientação CRF-SP (11) 3067-1470 ou orientacao@crfsp.org.br

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS