1º autoteste para detecção do vírus HIV já pode ser vendido nas farmácias

 

Farmacêutico deve estar preparado para orientar paciente que adquirir dispositivo

 

Farmacêutico deve estar preparado para orientar paciente que adquirir dispositivoSão Paulo, 10 de julho de 2017.

As farmácias podem iniciar a comercialização do primeiro autoteste para detecção do vírus HIV que obteve registro na Anvisa em maio passado, dois anos após a publicação da RDC nº 52/2015, “que dispõe sobre as regras para o registro de produtos para diagnóstico in vitro como autotestes para o HIV – Vírus da Imunodeficiência Humana, para fins de triagem, e dá outras providências”.

Segundo informações da Anvisa (confira na íntegra), o teste de HIV vem com um líquido reagente, uma lanceta específica para furar o dedo, um sachê de álcool e um capilar (tubinho para coletar o sangue), assim como alguns aparelhos que são usados para a medição de glicose por diabéticos. O resultado aparece na forma de linhas que indicam se há ou não presença do anticorpo do HIV. A presença do anticorpo mostra que a pessoa foi exposta ao vírus que provoca a Aids.

Importante

A RDC nº52/2015 estabelece que os produtos autotestes somente poderão ser disponibilizados por farmácias, drogarias, postos de medicamentos e serviços de saúde, ou em programas de saúde pública. Porém, a realização dos autotestes para detecção do HIV não se enquadra na lista de serviços farmacêuticos previstos na RDC 44/09 para serem realizados em farmácias e drogarias. O paciente ao adquiri-lo na farmácia deve realizá-lo no local onde for conveniente para si, contudo, é importante que o farmacêutico esteja preparado para fornecer todas as orientações necessárias no ato da comercialização do autotestes e, em caso de o paciente retornar ao estabelecimento informando que o resultado deu positivo, deve ser orientado a procurar um serviço de saúde do SUS, para confirmação do resultado com testes laboratoriais.

O fabricante do autoteste deve possuir canal de comunicação telefônico, sem custo, disponível 24 (vinte e quatro) horas por dia, durante 7 (sete) dias por semana, de suporte ao usuário com acesso direto a pessoal capacitado para atender, orientar e encaminhar as demandas do interessado sobre o uso do produto, interpretação dos resultados e como proceder após sua obtenção. A embalagem do produto deve indicar o serviço de atendimento da empresa assim como o serviço Disque Saúde do Ministério da Saúde.

 

Renata Gonçalez

Assessoria de Comunicação CRF-SP

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS